Ads Top

Padre Moacir Leite celebra jubileu de ouro sacerdotal

Na quarta-feira, dia 6 de janeiro, Padre Moacir festejou 50 anos de sacerdócio com uma bonita e tocante celebração na comunidade de Jardim, paróquia de Aratuba. A ocasião contou com a presença de Dom Plínio José Luz, Bispo de Picos, Piauí; vários padres da Arquidiocese de Fortaleza e milhares de fiéis da própria comunidade.


Conheça um pouco mais de Padre Moacir

É filho de João Ribeiro e D. Júlia Cordeiro Leite. Nasceu em 28 de outubro 1937, em Papara, Município de Maranguape – CE. Foi batizado no sítio Papara, pelo Pe. Heitor Vieira Cavalcante.

Estudos: primeiras letras e primário na Escola Municipal, em Papara; curso ginasial no Ginásio Anchieta, em Maranguape; científico, no Colégio Castelo Branco, da Arquidiocese (hoje Centro Pastoral Maria Mãe da Igreja), concluído em 1955. Em 1955 e 1956, passou no Centro de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR), em Fortaleza. Neste ano começou a participar da Juventude Universitária Católica (JUC) e iniciou o curso de Matemática na Faculdade dos Irmãos Maristas, em Fortaleza. Em 1959, ingressa no Seminário Maior de Fortaleza, para o curso de Filosofia onde fez o 1° e 2° anos. O 3° ano de Filosofia e todo o curso de Teologia foram feitos no Seminário Regional em Olinda – PE.

Fatores que influenciaram a sua vocação ao sacerdócio: primeiro, espírito religioso da família. Segundo, a Ação Católica, desenvolvendo o espírito de doação e Espírito missionário. E finalmente, convivência com seminaristas e padres.

Ordens menores, Subdiaconato e Diaconato, lhe foram conferidos por Dom Antônio de Almeida Lustosa, Arcebispo emérito de Fortaleza, em Carpina e Olinda, em Pernambuco.

A Ordenação Presbiteral foi realizada, em 6 de janeiro de 1966, na catedral (em construção) de Fortaleza por Dom José Delgado, Arcebispo de Fortaleza. Após sua ordenação trabalhou com a Juventude da Arquidiocese de Fortaleza, apoiando e sempre estando presente na luta dos estudantes secundaristas e universitários contra a ditadura militar, na busca da liberdade e da justiça. Escolhido por Dom Delgado, fez parte do primeiro Conselho Presbiteral instituído na Arquidiocese de Fortaleza. Em 1970, foi nomeado Vigário Cooperador do Padre José Maria Cavalcante Costa, na Paróquia de São Francisco de Paula, em Aratuba – CE, função em que ficou até 1973, quando assumiu a função de pároco, até 15 de fevereiro de 2002. Em Aratuba

realizou os seguintes trabalhos: transformou a paróquia num centro de vivência das CEBS, com visitas e hospedagens nas casas simples e reuniões e celebrações debaixo de árvores e a casa paroquial numa casa de todos. Descobriu a felicidade de viver na alegria do desapego nas romarias missionárias, aprendeu a acreditar que Deus comunga conosco e com nosso cansaço.

Pela partilha aprendeu a viver num ofertório, viver nos encontros, nas reuniões, na casa paroquial, no altar. Com os pobres experimentou a felicidade da doação. Aprendeu nas romarias a Canindé, colocando no altar de São Francisco, a vitória pela conquista da terra em Jardim, Bouqueirão e Monte Castelo, pois para Deus

nada é impossível.

Foi o primeiro vigário episcopal da Região Episcopal Serra, em 1996. Foi transferido para a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Cascavel – CE, onde permaneceu como pároco durante 11 anos.

Nesse período foi Vigário Episcopal da Região Praia de 2004 a 2006, e participou da Comissão Arquidiocesana da Prioridade Economia Solidária. Uma das três prioridades do Plano Pastoral de 2003.

Seu pensamento pessoal: “Para mim, o mundo está implorando a presença de padres missionários. Para que a igreja se torne cada vez mais missionária como Cristo Missionário a fundou”.

Ao longo de sua vida foi um importante animador das Comunidades Eclesiais de Base na Arquidiocese de Fortaleza. Tem uma trajetória com uma ardente missão no amor e no serviço à Igreja, povo de Deus, sobretudo aos mais pobres.

Foi homenageado em 2010 pela Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará pelo seu trabalho na defesa dos direitos humanos.

Padre Moacir aboliu, logo cedo, ainda em Aratuba as taxas por ocasião dos sacramentos: batismo, casamento, missas e até de batistérios.

O dízimo sem taxas começou a mudar a participação na Paróquia. Mudou completamente os festejos dos padroeiros, excluindo a venda de bebida alcoólica, bingos, rifas, taxas de barracas, e com isso ia crescendo a parte religiosa e espiritual dos fiéis. Desde sua ordenação sacerdotal, ele tem sido um ferrenho defensor da Teologia da Libertação, priorizando a atuação junto aos excluídos.

Hoje, já emérito, mora em Jardim, comunidade da paróquia de Aratuba.

Ao Padre Moacir nossas homenagens e preces. Que Deus o conserve com saúde e com a graça necessária para estar, até o último dia, no meio dos preferidos de Jesus Cristo: as pessoas pobres e sofridas do povo, o seu povo. Que seu testemunho de vida sirva de exemplo a quantos abraçam o ministério de evangelizar e pastorear o povo de Deus.






Tecnologia do Blogger.