Doação de Cordão Umbilical.

A doação do cordão umbilical do
recém-nascido para um banco público
é voluntária e autorizada pela mãe do
bebê. As unidades armazenadas ficam
disponíveis para qualquer pessoa que
precise de transplante de medula
óssea, indicação para pacientes com
leucemia e outras doenças do sangue.
Quanto mais cordões armazenados,
maior a quantidade de pessoas que
podem ser beneficiadas. Os bancos da
Rede BrasilCord mantêm convênio com
determinadas maternidades para
coleta dos cordões. As doações só
podem ser realizadas nesses hospitais
conveniados, onde existem equipes
treinadas para realizar a abordagem
da gestante, acompanhamento da
gestação e coleta do material no
momento do nascimento da criança..
No Ceará, a Maternidade Escola Assis
Chateaubriand, vinculada à
Universidade Federal do Ceará (UFC),
e o Hospital Geral Dr. César Cals, da
rede de unidades da Secretaria da
Saúde do Estado e referência terciária
em ginecologia e obstetrícia, já
contam com equipes do Hemoce para
fazer a coleta de material doado. Uma
outra equipe vai atuar, também, no
Hospital e Maternidade Nossa Senhora
da Conceição, da rede municipal de
Fortaleza. Para a doação, a gestação
deve ser acompanhada pelos médicos
das unidades, as mães devem ter mais
de 18 anos de idade, não correr riscos
e não ter doenças genéticas ou
transmissíveis. As bolsas de células-
tronco armazenadas poderão salvar a
vida de milhares de pacientes no Brasil
e no mundo, já que a Rede BrasilCord
faz parte da NetCord, rede mundial de
doadores de medula óssea e de células
do cordão umbilical. Cerca de 6 mil
pessoas entram por ano na fila de
espera por transplante de medula no
Brasil. 1.200 conseguem passar pelo
procedimento.

Fonte: SESA

Editor Chefe Marcelino Martins

Graduando do Curso de Marketing e pós-graduando no curso de Gestão Estratégica em Marketing Digital.
Facebook: http://www.facebook.com/marcelinoitapiunanews